Como prefere entrar em contato?
Bem Vindo(a)

Alcolumbre trabalha para minimizar risco de derrota de Eduardo Bolsonaro no Senado

Caminho sem volta Peça-chave na articulação para fazer de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) embaixador em Washington, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tem demonstrado preocupação com o caso. O democrata vem empenhando sua força pessoal junto aos colegas para reduzir ao máximo as chances de uma derrota em votação no plenário da Casa. Segundo relatos, ele tem dito que um veto ao filho de Jair Bolsonaro fecharia para sempre as portas de sua administração junto ao Planalto.

Trabalho de equipe Nas últimas semanas, Bolsonaro fez uma série de gestos ao presidente do Senado e aos parlamentares. Destravou a indicação de cargos e prestigiou dirigentes de partidos que têm assento na Casa. Alcolumbre, por sua vez, tem dito que vai dividir com os colegas as vagas que puder indicar.

Papel passado Deputados e senadores devem concretizar nos próximos dias a indicação de aliados a postos de projeção regional. As nomeações de dirigentes da Codevasf e do FNDE couberam ao DEM. As do Banco do Nordeste, ao PP do Senado.

Catimbado Alcolumbre e aliados do governo proveram conversas com as bancadas partidárias. Mesmo com os afagos às legendas, não há jogo fácil para a aprovação de Eduardo no radar. No PP, por exemplo, são dois votos a favor, um contra e dois indecisos.

Pista livre Ministros do STF preveem um caminho menos acidentado para o filho do presidente na corte. A aposta é a de que, hoje, a maioria entende que a indicação para postos políticos é privativa do presidente, o que inviabilizaria uma acusação de nepotismo.

Ponto foraMarco Aurélio Mello é um dos poucos ministros que falaram publicamente sobre o assunto. Na ocasião, disse entender que o episódio configura nepotismo.

Onde pega As discussões vão se desenrolar sobre a súmula vinculante número 13 do STF, que veda a indicação de familiares para cargos administrativos, mas deixa brecha para a escolha de ocupantes de postos políticos.

Menos é mais Aliados de Alcolumbre dizem que, em privado, ele trabalha com um calendário mais justo para a aprovação da reforma da Previdência. Fala em votar a proposta em cerca de 40 dias, até o fim de setembro. Publicamente, ele tem falado em algo entre 45 e 60 dias.

Lembrete O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, recebeu na sexta (9) uma intimação da Receita Federal para comprovar o pagamento de R$ 13,2 mil a um médico cirurgião. A despesa foi declarada, segundo o documento do fisco, no imposto de renda de três anos atrás, no ano calendário de 2015/2016.

Lembrete 2 Dantas compartilhou uma foto da intimação com outros ministros do TCU. A cobrança da Receita chegou três dias depois de ele relatar processo no qual pregou o corte de cerca de R$ 3.000 em bônus dos servidores do fisco.

Quite As reações dos colegas do ministro foram incisivas. Auditores da Receita, já no centro de polêmicas pelo acesso a contas de parentes de integrantes do STF, foram acusados de estarem tentando retaliar e constranger. Aos colegas Dantas disse que ajudou a então companheira a pagar uma rinoplastia —e que tem o comprovante da transação.

Roupa nova Após o mea culpa pela radicalização do debate público, o MBL elaborou manifesto que servirá de guia para a nova fase do grupo. O texto trata a polarização como espetáculo que “irmana todo mundo na burrice”. “Há como polarizar sem ser estúpido. Essa é a primeira regra, ainda que não apareça ninguém para conversar.”

Trabalho de base O texto evidencia que o grupo vai tentar ampliar sua presença entre os mais pobres. Ele prega o fim do que chama de “liberalismo engravatado de elite”. “O pobre continua pobre. (…) Sem saneamento básico, (…) com sua criatividade empreendedora prejudicada pelo estado.”

Mais um O PV se juntou a PSB, PDT e Rede em uma frente de centro-esquerda. José Luís Penna, presidente da sigla, diz que, “além de lutar contra a política ambiental do governo”, os partidos já estão mapeando cidades onde há possibilidade de coligação nas eleições municipais de 2020.


TIROTEIO

Fazer jornalismo crítico não é um excesso, é um dever. E como tal, deve ser absolutamente respeitado

De Pierpaolo Bottini, do Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB, após Bolsonaro relacionar “excessos jornalísticos” a prisão

Leia Mais

Conte o que você achou disso!

DATE: ago 11, 2019
AUTHOR: admin
Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *