Como prefere entrar em contato?
Bem Vindo(a)

Peso e ações na Colômbia sofrem com votos primários argentinos

                

por:                             Por: Economia e Business Writing        

                             

                    12 de agosto 2019 , 08: 26 pm                             

            

                                        
                                                                                                                                                                                                                                                 Como se o dólar e as ações não tivessem o suficiente com o confronto comercial prolongado em que os Estados Unidos e a Os mercados latino-americanos receberam um duro golpederivado do resultado da votação primária na Argentina, que afastou a possibilidade de reeleição do presidente neoliberal Mauricio Macri nas eleições de outubro.

Embora a Colômbia não tenha uma relação econômica tão próxima com a Argentina, os efeitos de sua situação política foram sentidos com rigor, especialmente no front de câmbio,em que a moeda dos EUA recuperou perto 54 pesos, o que levou à taxa oficial para esta terça-feira até 3. 436, 26 pesos.

A desvalorização do peso colombiano, com o movimento na segunda-feira, foi de 1 58 por cento, enquanto no acumulado do ano vai em 5, 74 por cento

Não foi a única moeda na região que sofreu ontem. O peso argentino foi o de maior queda, com 27 por cento; o mexicano desvalorizou 0, 83 por cento; O chileno fechou o dia com 0, 41 por cento, enquanto a precisão brasileira rendeu 1 por cento.

As bolsas de valores da América Latina foram afetadas.Na Colômbia, por exemplo, o índice do mercado de ações conhecido – o Colcap – caiu 0, 43 por cento;o mercado de ações Merval de Buenos Aires entrou em colapso 37 por cento, uma das maiores quedas diárias em sua história.

Também registraram perdas na bolsa de valores mexicana (1, 41 por cento), de Santiago (1, 76 por cento) e do mercado de ações de Lima (1, 64 por cento).

Medo do investidor

Analistas da Colômbia concordam que a situação na Argentina não deve, em princípio, ter um efeito direto sobre o país e esperar que os mercados voltem em breve à calma, embora avisem que visto ontem é mais uma questão de contágio produto do nervosismo dos investidores que vêem a região quase como um todo.Estes investidores, dizem eles, temem que a Argentina cesse o pagamento da sua dívida de devolução do ‘Kirchnerismo’ ao governo.

“Quando esta notícia é dada, os investidores ficam assustados com a ignorância precisa das interdependências econômicas, o que acaba nos afetando. Também poderia influenciar a medida em que alguns investidores pensam que o pêndulo se volta para a esquerda política e que outros países da região poderiam cair em uma situação idêntica ”, explica Andrés Langebaek, diretor de Estudos Econômicos do Grupo Bolívar.

Na mesma linha, Mario Acosta, Gerente de Estratégia e Pesquisa Econômica da Ultraserfinco, falou. Na sua opinião, o que foi visto na segunda-feira reflete o medo dos investidores sobre o ressurgimento da esquerda na região.

De cair um governo como o de Macri, argumenta ele, poderia reformar as reformas que são realizadas e mudar as regras do jogo novamente,que – é natural – não gosta do investidor estrangeiro, que prefere liquidar seus investimentos em vez de correr o risco de investir em uma economia tão volátil.

“É normal que a região sofra um contágio, mas a depreciação de nossos ativos era muito menor do que a sofrido na Argentina. Eu acho que a questão política da Argentina é muito pontual e terá um impacto significativo naquele país, mas não tem que afetar os ativos da região a longo prazo ”, disse Acosta.

No entanto,os resultados da votação de domingo na Argentina não é a única coisa que mantém os investidores em alerta máximo, que não só vêem o que está acontecendo na região, mas o que está acontecendo nível global com a economia,que está perdendo a tração.

    

O que aconteceu na Argentina é apenas um sintoma do nervosismo que existe nos mercados. O problema real é a crise econômica
em todo o mundo

    

Para Juan David Ballén, diretor de Análise e Estratégia da corretora Casa de Bolsa, a verdadeira situação é muito desafiadora e que Isso gera um grande nervosismo nos mercados. “O que aconteceu na Argentina é apenas um sintoma de nervosismo experimentado nos mercados. O problema real é a desaceleração econômica global ”, argumenta ele.

Ele acrescenta que a Argentina é a terceira economia mais importante da região, e a reação dos ativos financeiros se deve a uma risco sistêmicoOs resultados das primárias levaram os investidores a aumentar a sua aversão ao risco para a região.

Investidores procuram maneiras de reduzir o risco

Na ânsia dos investidores em proteger seus investimentos na América Latina, a Colômbia foi afetada. Camilo Pérez, gerente de Pesquisa Econômica do Banco de Bogotá, explicou que, como os investidores costumam ter carteiras com participação em grupos de países com características semelhantes, depois de um dia como ontem, suas carteiras emergentes perderam valor na Argentina e Tente reequilibrá-los para reduzir os riscos, eles são forçados a vender outros ativos da mesma cesta que não necessariamente têm muito a ver com o país em questão.

No curto prazo, os investidores estão atendendo mais a um critério de redução de risco do que a um contágio para uma relação econômica real.Em alguns dias ou semanas, as coisas se acalmarão e os ativos emergentes provavelmente recuperarão parte de seu valor. Claro, nem tudo, porque o ‘sentimento’ dos investidores já foi espancado ”, diz ele.

ECONOMIA E NEGOCIAÇÃO EMPRESARIAL

                                                                                                                                                                                       

Baixe o aplicativo Weather. Com ele você pode escolher os tópicos de seu interesse e receber notificações das últimas novidades. Conhecê-loaqui    

Leia Mais

Conte o que você achou disso!

DATE: ago 12, 2019
AUTHOR: admin
Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *